Planejamento e inovação

Por Marcia Ceschini*

O propósito dever ser de longo prazo, já, o posicionamento, mutável! – Felipe Campos

 

ninguém liga

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Na semana passada, eu estive no Planner Summit 2016, um evento de dois dias sobre planejamento, organizado pela Media  Education. A palavra da vez, tanto na oficina, realizada para mais de 50 pessoas na sexta-feira, quanto nas palestras do sábado, foi inovação.  Inovação em seu sentido de tudo que engloba: desde pensar uma ideia sobre novos olhares, juntar olhares para pensar um problema, criar novas soluções com ajuda da tecnologia, adaptar e criar, criar, criar.

As principais dicas foram: crie cenários, pesquise, junte conhecimentos diferentes, ouse e finalmente, planeje. O que vimos nas apresentações foi que o planejamento está assumindo seu protagonismo. Mas, é preciso frisar que esse novo planejamento não tem um modelo definido. Ele está sendo construído. A marca precisa ouvir o consumidor para criar e contar histórias que seu público esteja interessado em ouvir, pois a forma com que o consumidor reage a uma mensagem, mudou.  Outra dica que a maioria bateu na tecla, o planejamento deve envolver a todos, não ter hierarquia e nem limitação da criatividade na hora de criar. Uma coisa é o planejamento, outra a execução. Dentro dessa nova formação citaram que já existem agências trabalhando em rede. O que seria essa rede? O que muitos já praticam, a Ceschini Consultoria, faz isso… é a junção de talentos e conhecimentos para um projeto em conjunto ou cada um ter seu projeto, mesmo estando em um espaço colaborativo.

A pesquisa e os dados devem ser bases integrantes de um bom planejamento. Todas os outros insights nos mostraram que planejamento deve ser uma função única. Não dá para ser planejamento e atuar em outra área, pois o tempo que deve ser dedicado ao estudo, pesquisa e definições de estratégias e ações deve ser integral. Afinal, não adianta ter muitos dados se você não sabe como usá-los. E conforme confirmou a palestra do pessoal da Oreo, com um bom budget, N possibilidades e a missão de inovar sempre, o sucesso é certo.

Para finalizar, um conceito que chamou muita atenção e que até então eu não tinha ouvido falar é o Agile. Uma forma de planejar que exige rapidez e flexibilidade, além da interação entre os envolvidos (clientes, patrocinadores e a equipe da agência) e com o olho na gestão dos custos, dos riscos e da qualidade final do trabalho.

Marcia Ceschini – Especialista em Gerenciamento de Marketing, Sócia e Consultora de Comunicação e Marketing Digital na Ceschini Consultoria, Professora da Pós Graduação nos cursos digitais do SENAC São José do Rio Preto, Ribeirão Preto e Bauru, Idealizadora e Gestora do Papos na Rede

 

 

Leia Mais