Tecnologia, internet das coisas e próximos passos

internet das coisas

O termo Internet das Coisas (em inglês Internet of Things – IoT), já está no nosso vocabulário há algum tempo. Mas, o que vem a ser exatamente isso?

Segundo a matéria do TechTudo, o termo surgiu em 1999, com Kevin Ashton do MIT, mas já em 1991, Bill Joy, cofundador da Sun Microsystems, pensou sobre a conexão de Device para Device (D2D), a partir de “várias webs”.

Como usamos a internet das coisas

A internet das coisas chegou a partir de uma evolução na tecnologia que nos permitiu conectar vários itens do nosso dia a dia aos computadores. E isso vai desde carros, eletrodomésticos, meios de transporte, calçados, roupas, e outros dispositivos, como celulares, tablets e computadores.

Hoje já é possível assistir seu filme ou série preferida através da Netflix, conectar objetos de sua casa, medir seus batimentos cardíacos e até trazer informações do seu rebanho, plantação, estoque da loja e por ai vai… não há limite. A Google anunciou recentemente um computador controlado por voz e uma jovem criou próteses revolucionárias.

Para que tudo isso funcione, é preciso ter o apoio do tripé: dispositivos, redes de comunicação e sistemas de controle.

O que podemos esperar

Mas nem tudo são flores. Existe risco? Sim, existe. Uma falha de software ou invasão criminosa no sistema, pode deixar a sua casa ou sua cidade com o trânsito um caos, por exemplo.

Porém, isso é um passo para o futuro que não terá voltas. Veremos com isso, surgir, e já surgiram, empresas de segurança, de tráfego de dados, entre outras, empresas e serviços muito importantes para o funcionamento pleno da internet das coisas.

Para finalizar, o IDG Now trouxe uma matéria que descreve os próximos 10 passos:

  • Em 2002, 100 milhões de consumidores vão comprar em ambientes de realidade aumentada,
  • Em 2020 as pessoas vão conversar mais com bots que com seus cônjuge,
    2019, 20% das grandes marcas deverão abandonar seus aplicativos móveis
  • empresas usarão algoritmos para “alterar positivamente o comportamento de bilhões de trabalhadores globais”,
  • Em 2022, haverá uma empresa de serviços Blockchain que deverá faturar US$ 10 bilhões,
  • Até 2021, 20% de todas as atividades de engajamento envolverão pelo menos um dos sete gigantes digitais
  • Os gastos com inovação não serão baratos,
  • Os dados da internet das coisas levarão a um aumento de demanda por armazenamento,
  • Em 2022, a Internet das Coisas vai economizar 1 trilhão de dólares por ano,
  • O uso de dispositivos de fitness irá aumentar.

Marcia Ceschini – Especialista em Gerenciamento de Marketing, Sócia e Consultora de Comunicação e Marketing Digital na Ceschini Consultoria, Professora da Pós Graduação nos cursos digitais do SENAC São José do Rio Preto, Ribeirão Preto e Bauru, da Trevisan Escola de Négocios, USC – Universidade do Sagrado Coração – Bauru, Idealizadora e Gestora do Papos na Rede.

Leia Mais

O novo consumidor e as novas formas de atrai-lo

Por Marcia Ceschini*

o consumidor

O consumidor mudou. Isso é um fato. E mudou já há alguns anos. Com a chegada da internet, e o surgimento das redes sociais, o consumidor cavou seu espaço e percebeu seu poder de ser ouvido pelas marcas. Tornou-se o prosumer, que Alvin Tofler já previa em 1980, com seu livro A terceira onda

As empresas que passaram a ouvir esse consumidor, a monitorarem seus passos e a entenderem o seu comportamento, utilizando hoje em dia de dados cada vez mais sólidos, conseguem definir e criar estratégias que as aproximem cada vez mais desse novo consumidor e ganhem a corrida na sua mente.

O que as marcas têm feito?

Com isso, as marcas têm feito estudos e investido em ações que usam não só estratégias de marketing, mas o conhecimento do neuromarketing e utilizam técnicas de vendas que fazem com o que o cérebro atue diretamente na decisão da compra.
Tudo se comunica, a imagem de um post, o texto, a ação mobile ou uma hashtag. Tudo deve ser pensado e planejado para que o consumidor entenda rapidamente a mensagem da sua marca e a escolha na gôndola de um supermercado, por exemplo.

Só que veja bem, não se trata mais de manipulá-lo, mas de atender realmente as suas necessidades e desejos. Segundo dados da pesquisa realizada pela Turn e a a Forbes Insights, demonstraram que as campanhas de marketing que se baseiam em dados têm até três vezes mais chances de fidelizar os consumidores.

Hoje em dia a maioria das plataformas sociais que as marcas usam para se aproximar do seu consumidor e fazer sua comunicação de marca possuem dados analíticos. E se não houver, há uma série de ferramentas que podem ajudá-la a extrair esses dados. Mas,  só ter os dados é o suficiente? É claro que não. As empresas precisam de talentos que saibam ler esses dados, decodificá-los e em conjunto com a equipe de marketing, de gestão de produtos, do comercial os usem de forma inteligente como o testes A/B da Netflix, ou o uso do Twitter para fazer check-in pela Gol, os vídeos da Target no Facebook, ações da Ikea no Instagram, entre outras.

Marcia Ceschini – Especialista em Gerenciamento de Marketing, Sócia e Consultora de Comunicação e Marketing Digital na Ceschini Consultoria, Professora da Pós Graduação nos cursos digitais do SENAC São José do Rio Preto, Ribeirão Preto e Bauru, Idealizadora e Gestora do Papos na Rede.

Leia Mais