Microsoft compra o Linkedin

linkedin

Por Professor Luiz Angelo*

Hoje estava observando coisas do dia a dia, e como sempre, refletindo sobre isso em grande escala. Porque são nas pequenas coisas que medimos, mensuramos e projetamos as grandes coisas.

Estava na padaria (calma, não me perdi do assunto do artigo, apenas quero traçar uma linha de raciocínio com vocês), e pude observar como o pequeno comércio, as pequenas empresas, atuam de modo diferenciado, no atendimento aos seus clientes. Fiquei devendo R$ 0,50 (cinquenta centavos) há quase uma semana nesta padaria. Vou duas vezes por semana, às vezes três, comprar produtos (pão, leite, frios, etc). Tem um estabelecimento a uma quadra e meia de casa, na mesma rua, mas me aventuro a andar 6 quarteirões para ir nesta padaria, algumas vezes na semana. Por quê? Atendimento. Sou muito bem atendido, gosto de ir nesta padaria.

Percebi que a proprietária da padaria (que faz o caixa) não estava. Uma das atendentes veio fechar o meu pedido e cobrar. Então percebi que a proprietária tinha saído do caixa, pois estava ajudando uma senhora, idosa, sua cliente também, a atravessar a rua. Isso não se faz somente por questão de tratar bem o cliente, pois ela não precisaria fazer isso para tratar bem, mas é um “bônus”, um “que a mais”, um “algo a mais para diferenciar”.

No entanto, não basta o atendimento ser bom, diferenciado, se a empresa não chegar até o cliente. O “boca a boca”, no caso, é o que faz com que esta padaria chegue ao conhecimento de mais e mais clientes. Eu mesmo, aqui falando dela (apesar de não citar o nome), estou entre os conhecidos e vizinhos do bairro que falam bem dela (da padaria).

Atendimento ao cliente

E o que isso tudo tem a ver com o titulo deste artigo? Uma introdução, para que possamos entender que as grandes corporações, as empresas .COM, do ramo de TI – Tecnologia da Informação, também usam suas armas, suas estratégias, claro que num grau muito maior, mas elas vêm, sistematicamente, investindo pesado em sua “imagem”, e na busca incessante de clientes, novos clientes, não só na fidelização dos atuais, mas conseguir novos clientes, novos usuários para seus produtos/serviços, e também fidelizá-los.

Exemplo maior de “fidelização” na internet, em se tratando de redes sociais, não existe. Twitter, Facebook, Tumblr, Youtube, Linkedin: talvez estes sejam o novo “caminho” para pavimentar uma solida e permanente base de usuários na Internet. E as empresas estão de olho nisso. Tanto que o número de fusões e compras de empresas .COM tem disparado, ano a ano, com grandes investimentos na compra de empresas e produtos, concorrentes ou não.

linkedin e as redes sociais

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A retomada da Microsoft

Mas vamos nos ater ao título do artigo. Quero aqui apenas explanar minha concepção sobre a Microsoft e  seu papel em meio a isso tudo.

A Microsoft vem, a médio prazo, numa empreitada para se tornar, novamente, uma das empresas de vanguarda no universo da TI. Não que ela não seja importante, que tenha seu papel de destaque (inclusive, na história da TI como um todo, grande responsável pela popularização da Informática, no mundo todo, com seu Sistema Operacional MS-Windows), mas a Microsoft está se reinventando, e se remodelando, a medida que a área de TI evolui, e novas necessidades surgem.

A Mojang, empresa originalmente sueca, atuante no segmento de jogos eletrônicos, foi a primeira empresa adquirida pela Microsoft nessa “arrancada estratégica em busca de novos segmentos para atuação”, há pouco mais de um ano e meio (setembro de 2014), solidificando a participação da Microsoft no ramo de jogos eletrônicos. A Mojang nada mais é que a criadora do jogo Minecraft, verdadeira febre entre o público infanto-juvenil, e com muitos marmanjos também participando. Com essa tacada, a Microsoft não só garantiu o jogo eletrônico rodando na plataforma PC (da qual a própria Microsoft domina o mercado, com seu sistema operacional MS-Windows), como ainda abriu caminho na plataforma dos consoles Playstation, da qual é principal concorrente com outro console, o XBOX. Tacada de mestre!

Há menos de três anos (setembro de 2013), a Microsoft comprou a Nokia, fabricante de celulares e smartphones. Notadamente percebemos o olho da gigante de Redmond investindo no segmento de IoT (Internet of Things, ou, Internet das Coisas), um segmento em franca expansão e crescimento continuo, que mais e mais vem para, ironicamente, “substituir” a plataforma PC (a qual a Microsoft foi uma das criadoras da base de sustentação, e que reinava desde o século passado). Neste segmento, tem o Windows Phone, solução de sistema operacional para rodar na plataforma de smartphones, dominado pelo Android (do Google).

Há pouco mais de cinco anos (maio de 2011) a Microsoft dava um grande (!) passo ao comprar o Skype, programa de comunicação on-line, de telefonia via web. A intenção clara da Microsoft era aumentar sua participação e agregar a telefonia web, numa mostra de visão de planejamento tático. A comunicação via web vinha aumentando significativamente, e vemos muito isso hoje, com a participação do WhatsApp (do Facebook) neste segmento, concorrendo com a telefonia móvel e fixa (os embates das empresas de telefonia, no Brasil e no mundo, contra os softwares de comunicação via web, têm crescido continuamente e, claro, isso se prova pois há muito dinheiro em jogo).

A compra do LinkedIn

E agora, com a compra do LinkedIn, a Microsoft mostra o seu fôlego: com capital para investir, a mesma vem apostando alto em diferentes segmentos da TI, mas não pensem que são investimentos às cegas: há notadamente uma visão estratégica, adquirindo empresas e produtos que serão chaves para sustentação das empresas .COM no mercado futuro. O objetivo é claro: chegar aos usuários de internet para atrair novos clientes para seus produtos. As redes sociais virtuais são, hoje, o melhor caminho para atingir o grande público.

linkedin - estatistica e numeros

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O LinkedIn retratado em números:

  • Valor de mercado na ordem de US$ 8 bilhões (NASDAQ, 2016);
  • Valor de compra do Linkedin pela Microsoft: US$ 26 bilhões (Site ValorEconomico, link no final do artigo)
  • 21,4 milhões de visitantes únicos (não foram considerados aqueles que já visitaram ou que criaram perfil e visitam a rede diariamente), segundo a Quantcast;
  • 414 milhões de usuários no mundo todo (dados do próprio Linkedin, referente a Dezembro de 2015);
  • Com um perfil de fidelidade muito grande, o engajamento dos usuários da rede Linkedin cresceu em 80% (Linkedin);
  • Mais da metade dos usuários – 57% – usam o aplicativo através de dispositivos moveis (segundo o próprio Linkedin).

“(…) a empresa passou por diversas modificações e deixou de ser apenas uma rede de empregos para tornar-se uma plataforma de networking, conteúdo e soluções”

Osvaldo Barbosa de Oliveira, diretor regional do LinkedIn para a America Latina

Público com foco em mercado de trabalho, uma rede crescente em numero de usuários, visitas constantes dia a dia: um terreno fértil para investir sua imagem e linha de produtos. A Microsoft vem, assim, seguindo o caminho de sua  pavimentação e participação neste novo mercado que se forma para o novo século. E outras grandes empresas da área de TI também seguem o mesmo caminho. Trata-se da nova metodologia de adaptação e sobrevivência no competitivo mercado digital mundial.

Para me adicionarem no Linkedin, acessem: http://br.linkedin.com/in/profluizangelo
Leitura complementar:
Olhar Digital
Valor Econômico
professor Luiz AngeloProfessor Luiz Angelo – Orientador de TCC, Professor Sistemas Operacionais, Hardware, Gestão de Projetos, Micro-InformáticaEscola Técnica Estadual – ETEC Centro Paula Souza
Unidades 145 Avaré (Etec Prof. Fausto Mazzola) e 072 Cerqueira César (Etec Pref. José Esteves) Centro Paula Souza!

Leia Mais

Google Plus & Facebook com vídeo chamada (Skype)

Esses últimos dias formam marcados por muitos buzzes. Primeiro o Google Circles (que era o nome original do projeto que vazou em meados de maio) que foi lançado sob o nome de Google Plus. Como o Google Plus ainda está em fase de testes, apenas usuários convidados fazem parte da rede social e os convites que foram liberados a princípio, em poucas horas foram extintos (pela própria Google). Acho que foi por medo da orkutização precoce =). Sorte dos que conseguiram! \o/. Brincadeiras a parte, depois de entrar para o Plus, muita gente partilhou suas experiências e opiniões nas diversas redes sociais, inclusive no próprio Gplus e surgiram várias gifs sobre a rede social. As opiniões dos usuários são bastante controversas, alguns acreditam que ele vai tomar o lugar do Facebook, outros apostam o contrário, que a rede social da Google vai ser como outros projetos já existentes como o Google Wave, Google Buzz e afins. Eu prefiro esperar, acredito que é pouco o tempo para dizer alguma coisa sobre a rede, se é que essa é mesmo a intenção da Google. Mas posso dizer que simpatizo com a integração e que é bem legal o Hangout (conversa por vídeo com até 10 pessoas). Mas claro, pela falta de gente na rede, ainda falta conteúdo.

Para tentar tirar o buzz do Google Plus, Mark Zuckerberg, durante a semana disse que anunciaria uma grande novidade. A novidade foi algo já esperado: agora o Facebook tem chat com vídeo e em grupo. Não ao mesmo tempo. Ou em vídeo, ou em grupo. Ainda não é algo tão legal quanto o hangout do GPlus, mas por outro lado a tecnologia envolvida é nada mais nada menos que a do Skype – a recém comprada (em 10 de maio deste ano) pela Microsoft. Algumas pessoas (como eu) ficaram decepcionadas, apesar de saber já, pelas especulações que seria essa a notícia. Mas sempre resta uma ilusãozinha de que teria um plus (uashduah perdoe o trocadilho infame).

Leia Mais