Micro influenciador: alcançando o público-alvo

micro influenciador

Engana-se quem pensa que os verdadeiros influenciadores são as celebridades, como youtubers, blogueiros, atores, modelos e cantores. Aqueles que realmente fazem a diferença para o marketing digital como influência junto ao público de interesse, são os micro influenciadores. Mas, quem são essas pessoas, se não são celebridades? E, por que elas interferem tanto o pensamento dos consumidores?

Esse artigo do Meio & Mensagem traz uma luz sobre os macros, os micros e os everyday influenciadores. Clique e leia. Mas, neste texto, nós abordaremos os chamados pequenos influenciadores, usuários que estão alcançando com mais eficácia os públicos para as marcas e serviços.

micro influenciador

Quem são os micro influenciadores

Os micro influenciadores são pessoas que possuem um blog, ou até mesmo um canal do youtube, participam ativamente das mídias sociais e possuem um círculo pessoal restrito, de confiança e que lê, ou assiste, as ideias e críticas que elas escrevem com assiduidade.

Essas pessoas, os micro influenciadores, estão cada vez mais sendo procurados pelas marcas. Isso porque essas pessoas são consideradas de maior confiança e com maior autenticidade. Quando uma marca pede a um micro influenciador para divulgar seu produto, essas qualidades também são levadas para o produto, fazendo com que ele seja mais autêntico e a propaganda seja considera mais verdadeira.

É de senso comum que as celebridades, se receberem bem para fazer isso, irão fazer propaganda de qualquer tipo de produto, mesmo que ele não seja o melhor. Já os micro influenciadores digitais não, eles são pessoas que passam maior credibilidade quando falam sobre determinado produto e, com isso, atingem um maior resultado orgânico.

A busca por influenciadores no marketing digital

O crescimento da procura do marketing pelos micro influenciadores vai além da influência que eles causam nos consumidores, é também uma questão financeiras. Estudos apontam que com o mesmo dinheiro que a marca usaria para pagar uma celebridade de sucesso que tenha milhões de seguidores, ela pode pagar até 100 micro influenciadores.

A questão aqui é que essas 100 pessoas serão especialistas no assunto que possuem seguidores fiéis e que confiam no que essas pessoas dizem. Então, a qualidade do marketing aumenta e os consumidores, por consequência, irão comprar mais do seu produto.

Ao invés de distribuir a propaganda através de um só ponto que possui muitos acessos, os micro influenciadores distribuem através de vários pequenos pontos de forma mais pessoal e certeira.

E ai, gostou do assunto?  Deixe seu comentário aqui. E se você quer ser influenciador digital, a gente sugere uma lida neste post do blog do Armindo.

Leia Mais

O Dia da Mulher e o posicionamento das marcas

dia da mulher

Se há uma data que, cada vez mais, vem ganhando força e evidência, é o Dia da Mulher. Não que antes fosse irrelevante. Tsc tsc… A data existe há mais de um século e sempre foi “celebrada” – pra não dizer “explorada”.

Bem, mas já que eu disse, então vou concluir meu pensamento: por muitos anos o “8 de março” vem sendo usado e abusado comercialmente. Parabenizam a mulher simplesmente por “ser mulher”, vendendo flores, perfumes, bombons e afins, mas negligenciando o real – e importantíssimo – motivo da data.

Acontece que agora, com as redes sociais, o público ganhou voz e o Dia da Mulher vem tomando a forma e o conteúdo que remetem, enfim, ao seu real significado: o empoderamento e a luta por igualdade e direitos. E isso, meu caro, vai muito além das comemorações.

 

Untitled design (1)

Cuidado com o que posta

Não há como negar: hoje o feminismo é a temática mais evidente do Dia da Mulher. Nas redes sociais é, sem sombra de dúvida, o tópico mais citado.

E é nesse cenário que postar uma mensagem repleta de clichês, com enfoque em estereótipos femininos, esquecendo-se de um debate tão atual como o empoderamento, é dar um tiro no pé, como ocorreu ano passado com a homenagem feita pelo Sport Clube Internacional – o Inter , e com a Prefeitura de Porto Alegre e neste ano com a Saraiva, cuja promoção está sendo bombardeada na página. Usar esse tipo de comunicação ultrapassada gera polêmica e resultados negativos. Ou, na MELHOR das hipóteses, ninguém vai te notar.

#FicaDica As mensagens precisam ser pertinentes e criativas. Exaltar, enaltecer e apoiar a luta das mulheres. Fazer parte desta corrente. Formar opinião. Nesse sentido, algumas campanhas realizadas no Dia da Mulher do ano passado foram excepcionais e merecem ser destacadas.

É preciso ser coerente

Não adianta erguer a bandeira de uma causa que sua empresa não apóia na prática. É necessário ser honesto e agir segundo o que, de fato, defende. Lembre-se: nada que não seja verdadeiro se mantém (e o tiro pode sair pela culatra). Além disso, é ineficiente e até mesmo antiético promover sua marca usando movimentos sociais que não acredita. Então, em alguns casos, é melhor ficar calado.

Empodere a sua campanha

Indiscutível afirmar que investir em publicidade é importante. Mas hoje é preciso ir além e apostar em um trabalho profissional nas redes sociais, que conduza com estratégia, que tenha conhecimento do comportamento do consumidor e discernimento do seu posicionamento no mundo digital.

É bom frisar que precisa ser um profissional e não o “sobrinho esperto” de um amigo. Você pode até ter suas contas nas redes sociais alimentadas, mas terá bons resultados?

Portanto, todo cuidado é pouco. Lembre-se que as redes sociais são acompanhadas continuamente pelos usuários. Casos e crises é o que não faltam, ainda mais quando envolve a defesa de causas sociais importantes como o Dia da Mulher, o feminismo e sua mobilização.

 

Luciana Cecchini – Consultora de Comunicação, com experiência em comunicação corporativa e atendimento a cliente.

Leia Mais

WhatsApp: mudanças e inovações constantes

whatsApp

Desde seu surgimento em 2009, o WhatsApp vem fazendo sucesso entre os usuários de smartphones em todo o mundo, ainda mais aqui no Brasil. O WhatsApp, ou apenas Whats (ou zap) como é chamado pelos brasileiros, é um aplicativo que utiliza a internet para troca de mensagens, fotos, arquivos, vídeos e chamadas de voz e vídeo. Além de tudo isso, agora o aplicativo terá, assim como o Snapchat e o Instagram, sua própria Storie, mas será chamado de Status.

 

whatsApp stories

 

WhatsApp?

Com tantas funcionalidades, o WhatsApp de hoje está bem longe de se parecer com seu modelo inicial criado por Jan Koum e Brian Acton. Em sua primeira versão, os criadores imaginaram que o aplicativo seria usado para os usuários indicarem em seu status se estão ou não disponíveis. Assim, a pessoa entraria no app e verificaria seu status antes de te ligar, para então não te atrapalhar, caso você estivesse de férias ou ocupado com outra coisa. Por isso o nome WhatsApp, um trocadilho com a expressão inglesa “What’s up?” que significa algo como “E aí?” ou “O que está acontecendo?” ou ainda “O que se passa?”.

Venda do WhatsApp

Em 2014, o Whats foi comprado por Mark Zuckerberg, criador do Facebook, e, aí que começaram as maiores mudanças. Além de ser um aplicativo de smartphone com suas funções iniciais, em 2015 passou também a poder ser utilizado em navegadores de internet, no site do WhatsApp Web. Nos navegadores Google Chrome, Mozilla Firefox e Opera.

Aos poucos o WhatsApp foi mudando e trazendo diversas atualizações e novidades, como a mais nova delas: ter uma Storie em seu status.

As funcionalidades

Veja algumas dessas atualizações ao longo da história do aplicativo:

  • As impactantes chamadas de voz e de vídeo;
  • Grupos com vários usuários;
  • Ícones ou símbolos como imagem para ilustrar o grupo;
  • Opção para ‘reportar spam’;
  • Notificações de chamada perdida;
  • Diversas mudanças nos emojis, antes amarelos passaram a possuir opção de etnia diferente, além de novas imagens e categorias.
  • Possibilidade de escrever textos em negrito, itálico e riscado.
  • Possibilidade de publicar gif
  • Possibilidade de copiar a mensagem e responder para o
  • A maior novidade, anunciada em 20/02, por ocasião dos 8 anos do aplicativo é a mudança da função “status” por uma nova que permite compartilhar imagens e vídeos que desaparecem após 24 horas.
Leia Mais

Atendimento publicitário: profissional essencial

atendimento publicitário

* Por Luciana Cecchini

Quando você se depara com um anúncio que faz seus olhos brilharem; uma campanha que te emociona; uma marca que te encanta; ou até mesmo uma página empresarial que te conquista, não calcula o trabalho da equipe – principalmente do atendimento publicitário – que está por trás de tudo isso que te cativou.

Você pode até imaginar alguns profissionais atuando: o diretor de arte tendo ideias super criativas ou o social media à frente do relacionamento e de conteúdos tão envolventes nas redes sociais. Mas dificilmente vai lembrar do responsável pelo atendimento da conta, que tem fundamental importância em todo o sucesso do job.

 

atendimento publicitário

Mas afinal, o que faz um Atendimento Publicitário?

Comumente denominado “executivo de contas”, é muito mais que um simples contato entre a agência e o cliente. Ele precisa de muito jogo de cintura para conduzir o trabalho do começo ao fim, passando por cada departamento. Pensando como cliente e atuando como agência.

O bom Atendimento Publicitário tem conhecimentos sólidos sobre comunicação, propaganda e marketing, além de conhecer todos os processos e áreas da agência. Também entende muito bem o negócio do cliente: o produto, o público, o mercado, a concorrência, os preços, as novas plataformas, as tendências etc.. E é dono de um olhar crítico – sempre que necessário, questiona informações, ideias e até mesmo soluções, tanto do cliente quanto da agência.

#dica Predicados importantes de um bom Atendimento: empatia, credibilidade, liderança, dedicação, visão estratégica, cultura abrangente, didática, oratória e fluência verbal.

Também é função do Atendimento prospectar novas contas. Por isso, é primordial que tenha um bom networking e esteja sempre atento a potenciais clientes.

Depois dessa volta de 360 graus por esta que é uma carreira tão importante, dá pra entender que não bastam apenas boas ideias para garantir o sucesso de uma campanha. Mais que isso, é preciso apostar em uma boa relação entre agência e cliente – ou sendo mais direta: investir no trabalho essencial do profissional do Atendimento.

Quer ser um bom Atendimento Publicitário?

#Ficadica

  • Cative a sua equipe. A primeira e preciosa dica para ser um grande profissional dessa área é ganhar o respeito e a confiança do pessoal da agência, para que haja uma boa interação e a otimização dos Jobs,
  • Seja curioso. Conheça os departamentos e entenda os processos da agência. Afinal, você precisa estar preparado para argumentar sobre um planejamento de mídia, a criação de uma campanha etc.. Além de passar segurança a seus clientes, isso favorecerá o dia-a-dia com sua a equipe,
  • Tenha um bom relacionamento com o cliente. Parece até óbvio dizer isso, mas na prática nem sempre é fácil. Você tem que saber, por exemplo, só de falar pelo telefone, se ele está, ou não, em um bom dia para a aprovação de um job,
  • Dê atenção ao seu cliente. Não seja um mero “vendedor”, que só aparece quando precisa de uma validação. Isso, sem dúvida, ganhará a confiança dele,
  • Seja honesto, sempre. Aponte resultados reais e indique novos prazos caso inevitavelmente ocorra um atraso na entrega de um trabalho. Todos sabem que imprevistos acontecem, mas só serão aceitos quando tratados com integridade,
  • Na hora de prospectar, prepare-se. Pesquise a empresa em questão, o seu ramo de atuação, os produtos, a região onde está inserida, a concorrência, enfim, tudo o que possa vir a somar durante a reunião em que vai apresentar a agência, as prováveis soluções e as perspectivas que tem em relação à mesma. Isso somará muitos pontos a seu favor,
  • Valorize o seu time. Sempre ressalte para o cliente que o sucesso é fruto de um trabalho em equipe. E, caso ele precise, os demais profissionais precisam também bem atendê-lo. Tenha certeza que isso fará toda a diferença.

Luciana Cecchini – Consultora de Comunicação, com experiência em comunicação corporativa e atendimento a cliente.

 

 

Leia Mais

UX e Desing thinking: os usuários buscam mais

user experience

Mais do que um site inteligente, responsivo e com fácil navegabilidade, os sites hoje em dia precisam pensar em como que os usuários vão se sentir quando estiverem navegando nele. Esse tipo de estratégia de marketing digital é chamada de serviço de UX, experiência de usuário (do inglês User Experience).

UX e Design Thinking em sites

Para que um site seja pensado com a UX é preciso pensar também em um outro tipo de estratégia de marketing, o Design Thinking. Quando pensamos em Design Thinking estamos colocando em evidência uma nova abordagem com foco voltado para os usuários e para a inovação. Juntamos toda a capacidade que o designer tem de identificar novas oportunidades e criar soluções e unimos com o melhor da inovação, se apoiando em três pilares: empatia, colaboração e experimentação.

Além de um design impecável, todas as outras áreas precisam participar da criação desse site de maneira estratégica e inteligente para que a UX seja completa e o resultado seja positivo. Lembrando que a Experiência de Usuário está inteiramente ligada com os sentimentos e a empatia é o que mais devemos levar em consideração. Isso porque esse sentimento de pensar enxergando sob o ponto de vista da outra pessoa é o que liga o Design Thinking com o UX. Oras, para pensar em como os usuários estão se sentindo, é preciso pensar como ele e, também, tomar suas dores, é preciso ter empatia.

O usuário no centro do desenvolvimento

Pensando nos sentimentos da outra pessoa é possível entender melhor quais as necessidades e as prioridades que essa pessoa possui e com isso, saber também, a melhor maneira de ajudá-la e de suprir essas necessidades. E é aí que o marketing digital entra, criando uma abordagem que coloca o usuário como centro no processo de desenvolvimento.

Um site que quer seguir pelo caminho da UX precisa pensar em:

  • Utilidade: esse site é útil para os meus clientes?
  • Usabilidade: ele possui uma interface de fácil uso?
  • Desejo: ele está de acordo com os valores de meus clientes?
  • Acessibilidade: toda as pessoas com deficiência conseguirão acessá-lo?
  • Credibilidade: seu projeto é credível?
  • Valioso: ele acrescenta algo ao usuário?

Nosso texto foi focado no design thinking e user experience em site, mas já se aplica design thinking na criação de produtos, sistemas e até mesmo em serviço.

Leia Mais
Página 1 de 4712345...102030...Última »