Quem Acredita em Propaganda?

Por Rayanna Moreira*

Nesta semana li um artigo, publicado na Revista da FACOM – Faculdade de Comunicação da FAAP, do professor Edson Crescitelli, sobre a Crise de Credibilidade da Propaganda. Apesar de ser de 2004, ainda é atual e nos faz refletir sobre o cenário. Ele faz um estudo sobre os fatores que afetam a credibilidade e sua eficácia.

Recordei do Processo de Comunicação: Emissor – Mensagem – Receptor; das primeiras aulas de Introdução à Publicidade, onde a professora me ensinou que a pessoa passa, em média, 3 segundos pra ler um outdoor; da beleza bibliográfica de um Briefing perfeito; e da utopia de que a ética possa dominar o capitalismo. Quase por completa, a filosofia que se aprende no mundo acadêmico é posta de lado quando chega ao Mercado.

Por que a Propaganda está perdendo a sua eficácia de informar, agregar valor e persuadir? Talvez a Propaganda tenha perdido crédito porque fora confundida com Publicidade. Talvez porque não acompanhou a evolução de seu consumidor.  O consumidor mais exigente e menos ingênuo, com um novo estilo de vida, acredita mais na indicação do melhor amigo que no anúncio.  O equívoco está em querer centralizar a comunicação no produto ou na retenção de consumidores enquanto eles estão preocupados com os valores reais da empresa.  Ludibriar “inocentemente” o consumidor fará com que ele dificilmente volte a sua loja e utilize seus serviços. E o pior, ele levará os amigos consigo. Quem nunca, como consumidor, frustrou-se ao ver um anúncio, ir ao local e não encontrar o produto como foi especificado? “Caro cliente, nas letrinhas pequenininhas que o senhor quase sempre não consegue ler, diz que só é para os produtos com a tarja amarela…”  Em casos como esses, a Propaganda cumpriu seu papel de informação para o consumo, mas fez questão de rasgar o da credibilidade. O desafio é falar de verdade quando se tem a mentira como produto. Compreendem a profundidade?

Vamos um dia voltar a fazer Propaganda em sua essência, continuaremos no feijão com arroz que satura o consumidor ou o bolo com cereja que ganha prêmios?

Deixo vocês com épico round entre Nizan e Fábio:

RayannaRayanna Moreira– Publicitária e aspirante a Social Media. Uma protetora das mídias sociais indefesas.
 

Comentários


Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *