PROSTITUIÇÃO: ESTAMOS MAIS DENTRO DO QUE FORA.

Por Rayanna Moreira*

A Igreja diz: o corpo é uma culpa. A Ciência diz: o corpo é uma máquina. A publicidade diz: o corpo é um negócio. E o corpo diz: eu sou uma festa.” – Eduardo Galeano

Festa. Festa é o que está acontecendo com o corpo da Publicidade e da Propaganda. Nossos meninos (estudantes, recém-formados) estão cada vez mais se perdendo nesse mundo paralelo e pérfido. Em busca de experiência e (in)dependência financeira, são sugados pelo aspirador da lucratividade. As coisas mais absurdas nos são ofertadas e, o pior, são aceitas. Somos acomodados e vamos vendendo nossos talentos por trocados. “Ah, quando eu for grande, eu cobro mais”. O tempo vai passando e quando nos damos conta, estamos presos, não conseguimos mais sair. Somos reféns desse regime.

A primeira vez que se entra em um mercado, aprende-se logo que a lucratividade deve ser o foco de um negócio. Adotando esse princípio, os que estão à frente desse negócio pagam a metade por seu todo. Assim, equivocadamente, acham que lucram mais. Uma situação bem parecida com uma música country americana que ouvi uma vez: “Eles só investem cinco centavos, mas querem uma música de um dólar”. Eles economizam o capital, mas também deixam de investir no talento e valorização de seus colaboradores. Todo mundo perde, mais cedo ou mais tarde. Então, eu vos pergunto: você vai esperar até quando para se valorizar? Vai querer ficar sendo metade pelo resto da vida? Vamos mudar isso!

 RayannaRayanna Moreira– Publicitária e aspirante a Social Media. Uma protetora das mídias sociais indefesas.

Comentários


Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *