Quando o chefe não é líder

Por Rayanna Moreira*

Dwight D. Eisenhower disse uma vez que “a liderança é a arte de conseguir que um outro faça alguma coisa que você quer feita porque ele quer fazê-la.”

Quantas coisas por dia você faz porque realmente quer fazê-las? Sobram os dedos das mãos ou não? Se a resposta for sim, há uma evidência muito forte de que você tem apenas um chefe em seu ambiente de trabalho.

Diferentemente do chefe, o líder pensa no “nós”, na inovação, no futuro e em fazer a coisa certa. O chefe, por sua vez, só pensa no hoje e em fazer certo qualquer coisa. O líder sabe estimular a sua equipe e fazer com que ela aprenda com os equívocos cometidos. Um chefe pressiona e desmotiva no primeiro deslize, porque ele sempre só verá a parte e não o todo, quase uma metonímia .

O que observamos é um “efeito bola de neve” de chefes nas lideranças das empresas. As facilidades de nossos tempos permitem o desenvolvimento do lado empreendedor de cada um. O problema é que, na maioria dos casos, esse empreendedor não se capacita para liderar a sua equipe.

Colocando às claras, essa não capacitação faz com que esse nomeie alguém para gerenciar os processos, alguém para sonhar os seus sonhos. E cabe a ele apenas o cargo de ser firme, batendo na mesa e acuando os seus colaboradores. Sem contar nas tarjas que existem nos olhos dos chefes que não permitem enxergar a dimensão da importância do trabalho de sua equipe. É a onda do “tudo simples, rápido e prático. Instantâneo: 3 minutos e está pronto”.  Nunca subestime o trabalho de sua equipe. Nunca.

Isso vale para todos nós: trabalhe com o que você acredita e com quem acredita no seu trabalho. Não tem coisa pior do que comandantes que fingem acreditar em um tipo trabalho porque ele “está na moda” ou pra manter a imagem de empresa antenada. Há necessidades/obrigatoriedades que não compensam a razão de ser de certas existências. Pegaram?

Rayanna Moreira
– Publicitária e aspirante a Social Media. Uma protetora das mídias sociais indefesas.

 

7 Comentários

  • Larissa Barbosa 14 / 11 / 2012

    Tapa na cara da sociedade.
    E de algumas pessoas que se acham deuses dentro das empresas.

    Responder

    • marcia 14 / 11 / 2012

      Larissa,

      realmente nosso sistema de gestão ainda precisa melhorar muito. Algumas empresas ainda não acordaram para a necessidade de valorizar seu colaborador.
      Agradecemos por comentar.
      Abraços

      Responder

  • Rayanna Moreira 14 / 11 / 2012

    Larissa, é um realidade que está presente na maioria dos lugares, sejam eles grandes ou pequenos. Obrigada pelo comentário. :*

    Responder

  • Rayanna Moreira 14 / 11 / 2012

    Larissa, é uma realidade que está presente na maioria dos lugares, sejam eles grandes ou pequenos. Obrigada pelo comentário. :*

    Responder

  • Graça Taguti 16 / 11 / 2012

    Rayanna, “chefe” é criatura primeva, neandertal. Com antolhos nos olhos, feito cavalos de carga que só se preocupam com a própria e diminuta ascensão dentro da empresa. Infelizmente, minha amiga, há poucos lideres, pois, como seu post bem salienta, embora estejamos hipoteticamente, em muitos casos vivendo a era da coletividade, do “nós,” o egocentrismo impera, o hipernarcisismo também. Grandes líderes demandam grandes pessoas. Mas ainda hoje a pequenez atitudinal, espiritual e comportamental é ampla geral e irrestrita.

    Responder

  • Eder Martins Franco 18 / 11 / 2012

    O líder, como você bem disse, consegue viver o sonho dos outros. Acredita na “causa”, e por isso, ele consegue se motivar nas suas próprias convicções. Excelente texto, minha amiga. A reflexão certa, na hora certa, por coincidência. Ou não.

    Responder

  • Rayanna Moreira 20 / 11 / 2012

    Graça como sempre com sábias palavras. Obrigada por completar lindamente este humilde post. :**

    Responder


Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *