Crowdsourcing e criação coletiva

Temos acompanhando com bastante interesse o fenômeno de crowdsourcing nas redes. Principalmente no twitter.

Segundo a Wikipédia “O crowdsourcing é um modelo de produção que utiliza a inteligência e os conhecimentos coletivos e voluntários espalhados pela internet para resolver problemas, criar conteúdo ou desenvolver novas tecnologias. “  A própria Wikipédia é um modelo de crowdsourcing, assim como o Linux e  o Firefox, um sistema operacional e um navegador respectivamente.
Crowdsourcing ou colaboração, seja o nome que dermos ao fenômeno da ajuda que vemos nas redes me agrada bastante. É comum vermos alguém pedindo informação e logo em seguida um seguidor vem trazê-la. Já virou uso comum a hashtag #tweetajuda na frente de algum pedido de informação, conforme ilustra a imagem abaixo:


Já se pensa no retorno econômico e financeiro da atuação crowdsourcing, empresas ganham agilidade dividindo o problema para que mais cabeças pensem sobre ele e tragam o resultado em menor tempo. O livro Wikinomics – como a colaboração de massa mudou tudo, de Don Tapscott e Anthony D Williams traz esta abordagem de mudanças de cenários econômicos e melhorias com a colaboração. Um dos casos que o livro cita é do Linux, que através do Peering*uma atividade social que utiliza como Recursos: computador, conexão de rede, iniciativa e criatividade –  possibilita diariamente e de forma crescente que profissionais de Tecnologia da Informação colaborarem com o aperfeiçoamento do sistema, justamente por ser código aberto. O interesse dos profissionais pelo sistema é legítimo e a possibilidade de estarem inseridos em suas melhorias contínuas é estimulante. Para alguns profissionais de TI, o Linux é o melhor sistema a ser usado. Sei disso pois meu marido é DBA * e no computador dele, só Linux.

Dá para fazer isso em comunicação digital? Claro que dá. Os blogs Midia Boom, Blog Relações e o site Coworkers são exemplos de pessoas que juntam e compartilham conhecimento sobre RP e Comunicação. O Coworkers é o melhor exemplo já que reúne profissionais de comunicação e mídias sociais e prestam serviço, ministram palestras, workshops e o que mais o cliente precisar.

Mas eu, de minha parte, olho o fenômeno do ponto de vista da comunicação, da ajuda, do ato  de compartilhar conteúdo. Fiz esse texto para mostrar que uma parte do sucesso desta troca é seguir pessoas que tenham o mesmo interesse que você, seja em comunidades nas redes sociais ou no twitter.  Uma pena que exista ainda pessoas que pensem que perdemos tempo nas redes sociais.

* Peer Production ou Peering – grupo de pessoas e empresas colaborando de forma aberta para impulsionar a inovação e o crescimento em seus ramos/segmentos.
* DBA – Database  Administrator ou Administrador de Banco de dados.

* Esse texto foi publicado originalmente no blog A Bordo da Comunicação, por Marcia Ceschini e sofreu algumas alterações para ser publicado hoje.

Comentários


Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *