Há inteligência em social media


Temos sido bombardeados por “sucessos” e “hypes” nas redes sociais,  mais especificamente no Facebook, dando a impressão que esses exemplos isolados, com milhares de likes e compartilhamento sejam considerados cases reais e praticáveis para qualquer marca e empresa. Não é.

O trabalho de comunicação nas redes sociais é relativamente novo, estamos testando formatos e ainda não há receitas de bolo ou parâmetros definitivos como os 4 P´s do Jerome McCarthy. Vai muito além, pois depende do comportamento do usuário. É necessário estuda-lo para que sua campanha crie engajamento e faça com que o usuário passe adiante como formador de opinião.

Mas, apesar de parecer que tudo está perdido, há inteligência na social media. O que fazemos não é receita de bolo, e o resultado das “grandes marcas” não será o mesmo para o seu cliente. Cada um tem seu número, share e etc.

É  preciso que os profissionais sérios frisem essa importância. Não há problema algum em humor nas campanhas, desde que esteja dentro do target da marca. O que temos visto é que só a linguagem jovem e irreverente e os números de buzz sem non sense, serem apreciados ao invés da boa e velha comunicação de marca. Ao sinal da menor crise, sai o conteúdo “engraçadinho” e tem que entrar em cena os verdadeiros comunicadores e reparadores de imagem empresarial.

Nada contra a juventude, o bom humor e a diversão. Mas comunicação de marca é muito mais que isso. Minhas palmas vão sempre para a Coca-Cola que nunca apelou para nada que humilhasse ou constrangesse seu consumidor. Isso não é diretamente ao Gina Indelicada, mas sim às outras marcas que fazem do humor a qualquer preço o trampolim para milhares de likes que “orgulhosamente” apresentam ao cliente e que, apesar de altos, são só números.

O texto do consultor e planner digital Eden Wiedemann, circulou pelo próprio Facebook, depois que a Forbes publicou um artigo sobre o “fenômeno” Gina Indelicada. Nele Eden afirma: “Um dos trabalhos mais duros de um verdadeiro profissional de Social é convencer o cliente que número de fãs, seguidores e views apesar de ser um KPI válido NUNCA deve ser o principal. Qualidade SEMPRE deveria ser mais importante que quantidade. O motivo é simples, amigos, existem diversas formas questionáveis de se fazer uma Fanpage bombar de fãs, um Twitter bombar de seguidores ou um vídeo explodir de visualizações. Uma marca pode ter dezenas de motivos diferentes para estar em uma rede social mas raramente o “ter muitos seguidores” é válido – ainda não encontrei nenhuma.”

Outro texto inteligente aborda a questão legal de se fazer um trabalho com marca conhecida e registrada, é o da advogada Flavia Penido que aborda a questão da Gina Indelicada apropriar-se de piadas criadas por outros para seus textos, sem autorização, com a desculpa que o que é público não há necessidade de direito autoral. No final do artigo Flávia reforça: “Ter sempre profissionais de publicidade conscientes dos conceitos de propriedade intelectual e uma equipe interdisciplinar, principalmente entre os profissionais de marketing e direito.”

É importante que juntemos os profissionais que discutam isso a sério e não visam só lucro com eventos, cursos para fortalecer e organizar a comunicação digital. Muitos dizem que essa briga é acadêmica e não do mercado,  o que é uma balela. Um bom exemplo é  o Manifesto Cluetrain. Seria o ideal.

Aqui tem slideshare com os 95 pontos do Manifesto.

 

7 Comentários

  • José Lopes Nei 30 / 08 / 2012

    Pelo Texto Marcinha!

    Nei

    Responder

    • José Lopes Nei 30 / 08 / 2012

      “Belo”

      Responder

    • marcia 30 / 08 / 2012

      Bom dia Nei,

      Obrigada pelo comentário.
      Abraços

      Responder

  • Ádila Lopes 30 / 08 / 2012

    É isso Márcia,
    concordo com a sua linha de raciocínio. A megalomania dos números não pode se sobrepor à qualidade e a um consistente trabalho em torno da marca. Ainda estou só no começo do meu caminho nesse viés de possibilidades, mas creio que o caminho não pode ser apenas o bombástico de momentos.
    Ah! E parabéns por sua postura e disposição em disseminar conhecimento.
    Abraço

    Responder

    • marcia 30 / 08 / 2012

      Obrigada Ádila,

      Vejam que os textos de profissionais como Eden e Flávia complementam e muito bem a questão.
      É preciso separarmos modismo e onda da realidade do mercado.
      Abraços

      Responder

  • Edna Roberta 30 / 08 / 2012

    Concordo com você em gênero, número e grau, Marcinha. Não dá para comparar páginas de humor que bombam da noite para o dia com páginas de marcas.

    Responder

    • marcia 30 / 08 / 2012

      Agradeço o comentário Edna,

      É preciso salientar que cada cliente tem seu resultado. A busca para aumentá-lo através de conteúdos e ações são sempre válidas, mas nunca se igualarão às marcas conhecidas e com muito tempo de comunicação off line.
      Abraços

      Responder


Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *